1.1 Porque as pessoas se aproximam?
“Entre quatro paredes, os infernos são os outros”

Satre quer dizer que precisamos de convívio social com semelhantes, que procuramos nos aproximar de outras pessoas.
Respondendo a pergunta podemos dizer que as pessoas se aproximam das outras porque existem diversas sensações corporais condicionadas que se manifestam em estado de isolamento.
Desagradabilidade, sonhos alucinatórios acerca dos outros, além de sofrer menos se tiverem alguma ocupação. (Schachter, 1959, p. 7 – 8)
Segundo Schachter (1959) o estado de isolamento provoca ansiedade e por isso provoca aproximação entre as pessoas.
Sabe-se que pessoas sente-se menos ansiosas quando estão nas mesmas condições, quando submetidas a situações de alta ansiedade preferem esperar em conjunto, segundo Schachter, as pessoas preferem estar em conjunto porque há possibilidade de escape, clareza cognitiva a fim de ter uma visão mais apurada da situação e por conta de redução indireta da ansiedade, sempre que a ansiedade é mais alta as pessoas preferem estar próximas das mais fortes que são aquelas que estavam com ansiedade mais baixa e a auto avaliação segura, estabelecendo um padrão de realidade social que permitisse avaliação certa da própria ansiedade.
A explicação do fenômeno é que pessoas ansiosas procuram outras a fim de poderem auto avaliarem-se.
Segundo Wrightsmar (1959) o esperar juntos as pessoas equalizam a ansiedade, sendo que as pessoas buscam um denominador para equiparar a ansiedade.
Podemos concluir que as pessoas associam se para estabelecer uma realidade social que sirva de critério para avaliação de seus próprios estados de ansiedade.

1.1.1 Fatores que afetam a atração interpessoal

“Quem não está perto de quem ama, acaba por amar quem está perto” Stephen Stills
A proximidade física entre pessoas que por qualquer razão mantém freqüentemente contato, se correlacionam positivamente com a promoção de uma relação interpessoal de atração.
Sendo assim, podemos inferir que a geometria desempenha forte papel também nas historias de amor e amizade; A convivência e a familiaridade influenciam as relações, a proximidade torna a relação mais gratificante e ter freqüência em contato com uma pessoa conduz uma procura de relação mais amistosa.
A proximidade nos dá oportunidade de maior conhecimento mutuo resultando em maior capacidade a predisposição de comportamento; Familiaridade decorrente da freqüência de encontros, segundo Zajonc (1968) as pessoas desenvolvem sentimentos mais positivos aos objetos que são apresentados mais vezes, tendo em vista obviamente os cuidados com saciação. (Rodrigues & Boschi)

1.1.1.1 Conflitos por diferenças ou animosidades

Segundo Deutsche & Collins (1951) os conflitos por diferenças ou animosidades pode agravar a proximidade ao invés de separar, pois as pessoas acabam se gostando.

Identidade de valores e atitudes e outras características

A percepção da semelhança conduz a um sentimento positivo para existência de atração interpessoal por causa da redução de custos no processo de interação, haverá menos polemicas, conflitos e maior consensos, resultando em satisfação para ambos.
Segundo Festiger, as pessoas de um grupo procuram através da comunicação estabelecer um ponto de vista comum, tomando como referencia o desempenho e as posições de outros para estimar o grau de nossa habilidade e a correção de nossas opnioes.
Ainda segundo Festiger (1959) buscamos pessoas que nos são semelhantes, lembrando que em nossas diferenças é que estão nossas semelhanças.
Sullivan (1947) fala sobre o fenômeno de validação consensual que vem de “significant other” diz que uma pessoa se torna significante para nós no desenvolver da noção de validação consensual.
Segundo Newcomb (1953, 59,60 e 61) pessoas com atitudes semelhantes se tornam amigas, reforça ainda a importância da concordância no desenvolvimento da atração interpessoal.

Segundo Walster & Walster (1963) a procura de pessoas semelhantes não é um fenômeno obvio, pois uma pessoa diferente é capaz de sucitar novas idéias, maneira de encarar os problemas e apresnetar novidades inesperadas capazes de tornar a relação interessante e agradável.
Deve-se avaliar a insegurança, pessoas inseguras acerca de sua capacidade se juntam aos semelhantes, mas se ela saber que será bem recebida pelos diferentes optam por esses.
Segundo Winch (1952) as pessoas buscam companheiros diferentes de si a fim de complementar o que falta.
Pessoas semelhantes tem mais atração, a existência de sentimentos positivos levam a distorção de se verem mais semelhantes do que realmente são.

Formação, manutenção e término da atração

Newcomb (1960) “Atração pessoal é acopanhada pela atribuição de valor gratificante a outra”.
Newcomb diz que a atração inter pessoal surge da força em direção a simetria, sendo que isso ocorre quando “A” e “B” tem uma relação em que a percebem de modo pela qual cada um regae em direção a um objeto determinado, a existência do elo entre “A” e “B” provocará uma busca de simetria que resultara em formação de um elo afetivo, o que quer dizer é que o fator semelhança é fundamental para atração interpessoal.
Isso conduz a um sentimento positivo entre “A” e “B”, a existência de atração entre eles levara ambos a distorcerem suas percepções de forma a manter o equilíbrio da relação.
Há vários tipos de atração interpessoal, segundo Newcomb ( admiração, aceitação, valoração) além de outras que seriam identificadas de acordo o papel gratificante desempenhando por uma pessoa em relação a outra.
Exemplo: Se uma pessoa gratifica outra através de uma bonita voz ou uma habilidade de tocar um instrumento com perfeição, essa gratificação provocará uma sensação reflexa condicionada que resultara em admiração que é um sentimento positivo.

Atração pessoal
Atração pessoal é resultante da capacidade de se produzir resultados favoráveis uns aos outros, quando isso acontece verificamos o desenvolvimento de atração interpessoal, sendo que a atração diminuirá e a relação se romperá quando os membros resultados abaixo de seus respectivos; Aqui resultado significa gratificação de menos custo, se o resultado for positivo será satisfatório, caso contrario insatisfação.
Máxima gratificação e mínimo custo produzirão uma relação altamente satisfatória, isso nos permite explicar a manutenção, extinção de uma situação inter pessoal de atração.
Como dizem Secor e Backman (1964) a interação é uma relação de barganha onde os membros da interação procuram tornar máximo seus ganhos e mínimo seus custos.
Colocando nesses termos o modelo derivado da teoria de Thibaut e Kelley (1969) pode parecer excessivamente mecanicista, baseado no poder de reforçamento ou punitivo da emissão de comportamentos gratificantes ou onerosos.
Amor foi e ainda pode ser conceituado como uma atitude mantida por uma pessoa em relação a uma outra pessoa particular, a qual envolve predisposições para se comportar de determinadas maneiras relativamente a aquela pessoa.
Em estudos, Bystronski (1992) mostrou o amor como sendo diversas coisas diferentes simultaneamente, mas em termos comportamentais, Zick Rubin (1973) defini como “dar apoio emocional e moral ao outro, sentir-se mais feliz, mais seguro e relaxado quando o utro está perto, revelar ao outro fatos íntimos, tolerar as demandas da relação e manter a relação”, ou seja, o amor pode ser definido como sendo outro nome para reforçamento positivo. Skinner (1948).
Em termos de sentimentos a ele associado estão “desejo de tocar, segurar, estar perto, vontade de ser gentil, carinhoso, ter sentimentos de confiança e apreço.
Ruim com ele, pior sem ele, o gostar está consistentemente associado as coisas boas, o gostar e amizade crescem com o passar do tempo.
Segundo Walster e Hartfield (1978) “Romances podem começar numa torrente de paixão que se pretende sobreviver evoluirá no sentido de companheirismo da intimidade e compromisso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.