Resumo: Objetivo deste artigo é descrever breve e concisamente as principais diferenças entre TC e TCC.

Muitos leigos, estudantes e até mesmo profissionais de Psicologia confundem os conceitos de TC e TCC, sendo que a maioria acredita se tratarem da mesma coisa.
Segundo Falcone (2004), a prática clínica de Analistas do Comportamento (também chamados de Behavioristas Radicais) e dos Psicólogos Cognitivistas – Comportamentais são diferentes:
“Uma diferença entre cognitivistas e behavioristas parece estar no nível de rigor científico que permeia os conceitos teóricos de ambos os enfoques.

Para os behavioristas radicais, aceitar o uso da palavra ‘cognição’ seria aderir a uma postura dualista, o que constituiria um sério problema metodológico. Deste modo, a referência às reações cognitivas como ‘comportamentos encobertos’ foi uma estratégia brilhante que estendeu o modelo operante à compreensão de fenômenos mais complexos.

Cognitivistas-comportamentais também consideram as cognições como um sistema de respostas, mas não de uma forma tão compromissada com contingências e com termos precisamente impostos. Embora preocupados com validade empírica e expressão de conceitos operacionais, eles não são tão rigorosos do ponto de vista científico. […] ”

Teoria Comportamental Cognitiva Teoria Comportamental

Objeto: Aprendizagem Objeto: Qualquer Comportamento, seja ele interno, externo, público ou privado.

Objetivo: Mudança de comportamentos por meio de mudanças de valores e crenças.

Objetivo; Mudança de comportamentos de qualquer espécie (contingências) 

Prática: busca encontrar crenças subjacentes para entender de que maneira as reações cognitivas influenciadas pelas afetivas/fisiológicas e comportamentais enquanto cognitivo-comportamentais priorizam os processos cognitivos, considerando que o homem reage a um ambiente percebido e não a um ambiente real.

Práticas: procura saber que tipos de contingências levariam um comportamento a ocorrer e a influenciar outro comportamento. Deste modo, behavioristas radicais enfatizam a determinação ambiental na compreensão dos comportamentos (abertos e encobertos) do indivíduo.

Aceita termos mentalistas Rejeita termos mentalistas

Dualista em seu objeto Monista em seu objeto

Trata o pensamento como evento mental
Rejeita o pensamento como evento mental, mas aceita como comportamento

Behavioristas radicais consideram que a ascendência da análise cognitiva na abordagem comportamental, é em parte, atribuída à dificuldade com que terapeutas do comportamento lidam com o behaviorismo e com as suas bases teóricas.
Além disso, os princípios comportamentais mais conhecidos surgiram de experimentos com animais, que são diferentes de seres humanos, fazendo com que muitos terapeutas comportamentais se tornassem cognitivos.
Embora as diferenças entre animais e seres humanos constituíssem um problema a ser resolvida no estudo do comportamento, a solução encontrada por estes terapeutas foi errada (Hayes, 1987).

GUILHARDI, HÉLIO JOSÉ. Algumas reflexões adcionais sobre o behaviorismo radicl II http://www.terapiaporcontingencias.com.br/textos_autores.html Acesso em: 10 setembro. 2011.
Roger, K. Thomas, Os behaviorismos radicais e cognitivos são incompatíveis?
FALCONE, Eliane. Terapias Cognitivo-Comportamental e Behaviorista Radical: São diferentes? Disponível em: http://www.inpaonline.com.br/artigos/area_academica_1.asp?quem=15 Acesso em: 10 setembro. 2011.
STARLING, Roosevelt R. O que é “psicologia comportamental”?Entrevista dada ao Centro Acadêmico de Psicologia da Universidade Federal de São João Del Rey em 2003.
HAYES,S.C. (1987). A Contextual Approach to Therapeutic Change. In N.S. Jacobson (Ed). Psychotherapists in Clinical Practice. New York: Guilford Press.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.