Convenci-me de que não há nada no mundo e que na verdade só eu existo. Há um mistificador que me engana sempre, mas se me engana, me engana porque eu existo.
Portanto, eu sou e eu existo, mas não devo me enganar em relação a esse conceito que sustento. Devemos eliminar tudo que possa ser combatido por meio da razão.
O que é um homem? Um animal irracional?
Não, porque para conceber isso precisaríamos analisar o que é animal e o que é irracional e isso demoraria muito tempo e nós dispomos de pouco.
Considerava-me dono de um corpo maquinista atrelado a uma alma, mas hoje considero como corpo tudo que pode ser limitado por qualquer figura que ocupe espaço excluindo dele qualquer outro corpo que possa ser sentido ou movido douta maneira. Que não por si próprio.
Só sentimos porque temos um corpo, mas pensamento é um atributo que me pertence e que isolado não pode ser separado de mim.
Eu sou e eu existo e isso é uma verdade, mas porem por quanto tempo?
Enquanto penso, pois quando cesso de pensar cesso de existir. Portanto, não sou senão uma coisa que pensa, embora eu não seja apenas corpo, eu sou alguma coisa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.