Segundo Skinner existem coisas erradas no mundo, mas essas coisaS não perturbam a todos, porém todos inclusive quem tem condições financeiras favoráveis também são afetados porque apesar dos privilégios eles tbm estão inquietos ou deprimidos por não fazerem o que gostam ou por fazerem o que não gostam.
Segundo autor isso é um padrão que perdura por séculos, mas o problema está em como as pessoas expressão, pois expressam sentimentos e não o verbo SENTIR, por isso o sentimentos assumem um papel demasiadamente relevante e que a ciência do comportamento seria insuficiente se não tratasse disso.
Segundo Skinner o sentimento está dentro da ciência comportamental porque não é “sentimento”, mas sentir enquanto verbo. Os sentimentos diferem dos sentidos (tai mais um problema de linguagem “sentidos (estar sentindo = verbo sentir) porque é metafísico, já o sentir é físico e está debaixo da pele.
E espécie humana evoluiu muito quando dominou o controle da voz e isso ficou sob controle operante e a linguagem nasceu porque as pessoas puderam dizer aos outros o que deveriam ou poderiam fazer, então ambientes sociais complexos emergiram e deram a espécie seu poder.
O resultado disso é facilmente descrito como uma questão de sentimentos porque os mesmos estão estreitamente relacionados à reforçamento operante quando falamos de coisas que nos agradam e que são sentidas como boas,
daí emerge a associação de reforçamento com sentimento
isso é tão forte que há muito tempo vem sendo dito que coisas reforçam porque são boas ou são boas porque reforçam quando verdadeiramente temos que dizer que as coisas boas reforçam devido ao que ocorreu na evolução.
Organismos comiam porque contribuía para sobrevivência, portanto foram selecionados, porem para espécies mais simples não dizemos deve ser gostoso, mas necessário.
A questão do gostar surgiu quando os organismos tornaram suscetíveis ao reforçamento, ai passaram a comer porque era inato e reforçado por conseqüências.
Sentimento é o efeito agradável ou desagradável do reforçador.
(quer dizer que sentimento é uma sensação fisiológica que estou sentindo no momento que o reforçador aparece. “tal comportamento gera uma conseqüência que tem um efeito agradável ou desagradável”)
As praticas culturais surgiu devido o efeito agradável do reforçamento. As praticas culturais mudaram amplamente isso tudo e a seleção natural foi lenta demais para acompanhar as mudanças, então hj sofremos coisas que anteriormente a espécie estava livre. O mundo em qual vivemos é uma criação das pessoas.
Os problemas existem porque as praticas culturais ao promover os efeitos agradáveis das conseqüências em detrimento dos efeitos fortalecedores tem desgastado as contingencias de reforçamento.
Alienação do trabalhador e dos empregadores.
A proteção excessiva a população, pois a proteção excessiva é como se fosse um obeso que entra numa dieta e quando chega no peso ideal continua a dieta e vira anoréxico e isso ocorre com o sistema social atual em que aceitamos as imposições dos governos tirânicos e religiões.
O problema se encontra em não vivermos a vida plenamente fugindo das aversões, mas resultando assim em não vivencia dos fortalecedores.
O efeito fortalecedor do reforçamento é desgastado quando as pessoas fazem coisas somente porque têm sido dito a elas para fazê-las. (Comportamento por regra) O conselho é importante, sem dúvida, mas não alienado.

Pode parecer impossível que alguém não apreciasse passar a vida olhando para coisas bonitas, comendo comidas deliciosas, assistindo a atuações divertidas e jogando roleta. Mas seria uma vida na qual quase nada mais seria feito, e poucos daqueles que foram capazes de experimentá-la têm sido notadamente felizes.

O que está errado com a vida no Ocidente não é que ela tem reforçadores demais, mas é que os reforçadores não são contingentes aos tipos de comportamentos que sustentam o indivíduo ou promovem a sobrevivência da cultura ou da espécie.

Ex: (No final, os jogadores têm que perder para que as empresas de jogos sejam bem sucedidas.)

Em resumo as culturas ocidentais criaram muitas oportunidades para se fazer coisas que têm conseqüências agradáveis, mas elas não são as coisas feitas cujas conseqüências se tornaram fortalecedoras.

A raça humana não é a mais avançada, mas apenas a mais habilidosa
Quando o aparato vocal ficou sob controle operante, a linguagem nasceu e, com ela, uma evolução muito mais rápida de práticas culturais. Essas práticas
trouxeram ganhos extraordinários, os quais são vistos mais claramente na fartura, saúde, prazer e liberdade do Ocidente, mas o mundo não era mais o mundo no qual a espécie evoluíra.

O homem primitivo não trabalhava para os outros e não pagava os outros para trabalharem para ele. Não seguia regras, nem obedecia a leis. Não olhava imagens, não ouvia música, nem jogava. Quando não tinha nada para fazer, se pudermos julgar com base em outras espécies, o homem de antigamente simplesmente dormia ou não fazia nada.

Segundo Skinner usar termos “sentimentais ou mentalistas” serve pra desviar a atenção para longe das condições ambientais que poderiam ser mais úteis na explicação e alteração do comportamento.

As práticas culturais que examinamos enfraquecem o comportamento de uma forma especial. Elas mudam a relação temporal entre o comportamento e suas conseqüências, especialmente através do uso de reforçadores condicionados e generalizados.

O efeito pode ser corrigido pela restauração de contingências mais fortalecedoras.

Uma vez que compreendamos isso, nosso problema pode ser mais simples do que pensamos. É muito mais fácil mudar contingências de reforçamento do que restaurar vontade, reabastecer um reservatório de energia psíquica ou fortalecer nervos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.