Tradição é a transmissão de práticas ou de valores de gerações anteriores às gerações posteriores ao presente. É o conjunto das crenças de um povo, algo que é seguido conservadoramente passa-se como modelo através das gerações. A tradição e sua presença na sociedade baseiam-se em dois pressupostos antropológicos: a) as pessoas são mortais; b) a necessidade de haver um nexo de conhecimento entre as gerações.
A família é uma instituição que tem importância e papel definido numa sociedade. Segundo Minuchin, representa um grupo social primário que influencia e é influenciado por outras pessoas e instituições, é um grupo de pessoas, ou um número de grupos domésticos ligados por descendência a partir de um ancestral comum, matrimônio ou adoção e que é unida por múltiplos laços capazes de manter os membros moralmente, materialmente e reciprocamente durante uma vida e durante as gerações.
As tradições dentro das famílias têm o papel de atuar como agente disseminador de ideologias ultrapassadas, subvernientes, dominadoras e conservadoras a fim de manter uma determinada ordem imposta.
Os aspectos específicos da tradição familiar devem ser vistos em seus contextos próprios: tradição cultural, tradição religiosa e outras formas de perenizar conceitos, experiências e práticas entre as gerações.
As tradições familiares são compostas de experiências anteriores que influenciarão as escolhas dos sujeitos envolvidos no grupo familiar atacando diretamente a liberdade que lhe devia ser peculiar de experimentar e escolher sem influencias doutros, mesmo sendo boas ou ruins.
Tradições familiares servem com estereótipo de agentes controladores dentro dos lares em que se transmitem experiências e valores anteriores, transformando aqueles que a recebem em pobres de experiências.
Algumas experiências valem mais que qualquer tesouro por isso é fundamental que todas as tradições inclusive as familiares sejam esquecidas e lançadas ao Léo. Atualmente passar experiências está em baixa porque quase sempre não são boas as que se relatam, tornando os jovens cada vez mais ricos em ter experiências comunicáveis, mas cada vez mais pobres em viver experiências sem influencias.
Nesse contexto afirmo convictamente que surgiu uma nova forma de miséria que é a dos paradigmas tradicionais e familiares e cabe a nós preenchemos as lacunas repressoras desses discursos.
Tradição familiar na atualidade nada mais é que outro nome para pobreza de experiência que aspira um mundo em que se possa ostentar tão pura e claramente sua pobreza esperando que algo resulte disso, das tradições.
Exemplo puro de que a tradição é uma maneira de enfraquecer as experiências livres são as palavras de Foucault em sua obra a historia da sexualidade em que o autor expressa que o único espaço social onde a sexualidade é reconhecida é no quarto dos pais, fora desse ambiente há silencio. Impor um silêncio geral sobre o assunto é próprio da repressão que funciona como condenação ao desaparecimento em que o sexo real aparece apenas em lugares clandestinos, fora desses lugares emerge o puritanismo.
Não há em nenhum canto do planeta uma tradição familiar que transmita as novas gerações à possibilidade de falar abertamente sobre o tema sexualidade com as gerações futuras. Essas tradições hipócritas ainda hoje perduram num modelo de vida vitoriano onde mantemos nossas possibilidades contidas por conta da hipocrisia tradicionalista.
Outro exemplo claro é a questão da sexualidade que é vista pelas tradições familiares como tabu atípico que deve ser evitado para que a família mantenha toda consistência enquanto família. A homossexualidade aparece como uma figura da sexualidade que foi transferida para uma espécie de androgenia, mas é obvio que essa concepção pode ser equivocada, mas em todo caso será negada e renegada pela tradição familiar que remonta ao projeto família margarina da televisão utópica.
Já nascemos numa micro sociedade formada por suas crenças, valores e práticas. Somos lançados sem a possibilidade de escolher. Somos influenciados, antes, durante e depois de sermos concebidos e depois da luz ainda somos obrigados a conviver com as experiências doutros, as tais tradições e quando há alguém que rompe com essa ideologia certamente será considerado louco ou “ovelha negra”, mas o fato é que as pessoas que compõem as famílias estão ligadas entre si por laços invisíveis e desde pequenas vem uma serie de dependências que não são passiveis de modificação de modo que cada um cumpra sua finalidade dentro da tradição, assim cada pessoa em dependência funciona a partir de outra.
Portanto podemos concluir que as tradições influenciaram e continuaram a influenciar as famílias do presente e do futuro. Tradições familiares são instrumentos de modelagem social que faz assumir uma forma especificamente humana, o que falta no homem em seus traços hereditários é substituído por uma determinação histórica a qual damos o nome de tradição, uma moldagem dos comportamentos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.