A formação da psicologia social comunitária brasileira foi marcada por contraposições de trabalhos consagrados dos norte americanos e pela inserção da noção de comunidade em seu conjunto de princípios.

Busca-se fornecer uma identidade e indicar suas contribuições para reflexões praticas.

Na década de 70 a psicologia passou por transformações decorrentes de questionamentos acerca da relevância da psicologia social (Lane &Codo, 1984 apud Gonçalves & Portugal, 2012).

Diante da ”crise” houve a constituição da problemática relacionada às questões sobre a relevância das pesquisas, argumentava-se que não havia. (140).

Reivindicava-se um rumo que culminasse em transformações sociais em realidade social, econômica e política latina adequada ao modelo dos países latinos.( Bock, Gonçalves, & Furtado, 2007; Carvalho & Sousa, 2010 apud Gonçalves & Portugal 2012).

Dessa reflexão surgiu as psicologias da libertação, social comunitária, política que questionavam e elaboravam argumentos sobre como modificar a psicologia social latina e disso surgiu o que chama-se psicologia social comunitária com atuação em favelas e comunidades carentes critica as linhas cognitivistas e experimental, e nisso houve uma crescente mudança de direção na psicologia brasileira. (autores,140).

A psicologia reivindicou atuar sobre transformações sociais, mas atenta as questões das maiorias da população evitando os recursos interventivos dos psicólogos especialistas , mas promovendo mudanças responsáveis na realidade dessas pessoas. (141).

A PSC pode ser considerada uma resposta às teorias importadas por propor mudanças. Isso indica aproximação por alguns setores antes negligenciados. Essa aproximação também se concretizou com a constituição as novas políticas no setor da saúde, essa atuação foi favorecida nos anos 90 pela abertura do campo de trabalho nas instituições publicas e o primado de ações territoriais em favor dessas populações menos favorecidas. (Yamamoto & Oliveira, 2010 apud autores, 2012).

A historia da PSC é narrada a partir de uma divisão entre seu surgimento e suas influencias latinas e americanas.

A ênfase nessa distinção não se restringiu a PSC, mas escreve a renovação da psicologia social. (141).

Nos territórios europeus e americanos do norte a PSC surgiu em meados de 60 ligados aos movimentos sociais comunitários especialmente em saúde mental. Com objetivo de preveni-la e tratar. (141). As intervenções limitadas aos indivíduos foram ampliadas para comunidade como todo concebendo a sociedade como fontes desses problemas, porem ao mesmo tempo como agente terapêutico. (141). O objetivo americano era intervir nas causas das doenças mentais a fim de prevenir. (141).

Mas adiante há um alargamento do objeto de estudo que passa da doença mental para ampliação da intervenção que desliza do individuo para a coletividade.

Ao traçar o percurso da psicologia comunitária latina muitos autores enfatizaram sua vinculação com a psicologia social com sua contribuição para o redirecionamento da psicologia que voltava sua atenção para graves problemas econômicos, buscando superá-los de assim inovar seu leque de atuação.

A psicologia comunitária latina tem sido associada à teologia da libertação e a educação popular ( Gois, 2005; Freitas, 1996 apud autores 2012). (142). Os psicólogos sociais passaram a aliar-se aos movimentos comunitários na área da saúde mental em busca de melhores condições de vida para população (Bomfim, 1989 apud autores, 2012) envolvendo psicólogos com as questões sociais.

Esses períodos descritos foram marcados por repressões políticas e culturais pelas ditaduras, mas com o fim, as discussões sobre os trabalhos realizados em comunidades forma um objeto de mais atenção, principalmente por ter sido essa uma atividade não remunerada, mas clandestina e voluntária. (142).

Expõe-se o modo pelo qual representantes da PSC definiram seu campo de atuação, seu escopo e seus limites. (143).

O que chamamos de PSC atualmente começou com a tentativa de aproximar a psicologia de alguns setores da população, ainda sem objetivos e métodos bem definidos, mas havia a tarefa de tentar traduzir ou imprimir o identitário da PSC. (143).

A psicologia comunitária não é uma extensão da clinica, nem psicologia na comunidade tampouco tecnologia social, mas seu objeto é o reflexo psíquico da vida comunitária no psiquismo de seus membros e a potencialização da consciência a partir das condições de vida da comunidade (Gois, 1990 apud autores 2012).

A psicologia comunitária tinha o desejo de ampliar as linhas de trabalho para a população em geral, por isso ingressou em instituições desse fim, atuando também com saúde coletiva em comunidades.

Para a psicologia comunitária o homem deve ser compreendido como sócio historicamente construído, a psicologia comunitária usa teorias sociais, principalmente o conceito de grupos colaborando para a construção de uma identidade social e individual, orientada por preceitos eticamente humanos. (Freitas, 1996 apud autores 2012).

Tem atuado junto a problemas sociais concretos nas áreas da saúde, saneamento e urbanização das comunidades carentes. (144). Realizando intervenções em associações de moradores, grupos de mulheres, jovens, crianças e idosos, em centros de lazer, e cultura, portanto, caracterizando como um trabalho junto a movimentos sociais com vista no cooperativismo e autonomia das comunidades. (144).

Preparado para atuar com os problemas que afligem as comunidades como poluição, ausência de áreas de lazer, precariedade dos meios de transporte e transito congestionado. (144).

“O trabalho do psicólogo comunitário é um trabalho psicossocial dirigido a melhoria da qualidade de vida” (Bomfim, 1989, p. 123 apud autores, 2012, p. 145).

Para Andery a psicologia comunitária é voltada a melhoria da qualidade de vida de indivíduos e grupos distribuídos nas aglomerações urbanas das grandes cidades. (Andery, 1989, apud autores, 2012).

O trabalho da psicologia nas comunidades propicia o desenvolvimento das relações no que tange aos grupos populacionais a ao nível do desenvolvimento de teorias psicológicas que avancem na compreensão e transformaçao dos indivíduos concebendo como uma totalidade histórica social. ]9lastoria (1988, p. 143 apud autores, 2012, p. 145).

Arendt (1997 apud autores, 2012) ao se constituir em meio à interdisciplinaridade, a psicologia social comunitária perde seus referenciais próprios, ao se aproximar da antropologia, da historia, sociologia, educação e política, acaba por fazer o papel destes e perde seu objeto, perde portanto, sua especificidade.
Houve entao uma busca pelo caráter propriamente psicológico do trabalho comunitário para que sua intervenção pudesse se diferenciar das outras disciplinas das ciências humanas e sociais. Essa demanda parte da deriva que academicamente se exige e de uma analise conservadora epistemológica. (Arendt, 1997 apud autores, 2012).

A pergunta qual é o papel do psicólogo nesse contexto é motivo para discussões, ela surgiu em meio a embaraços metodológicos já que não tinha método, teorias e orientações bem definidas, isso resultou num arcabouço conceitual e metodológico na maioria de suas publicações.

Segundo Freitas (2001 apud autores 2012) a psicologia comunitária tem se aproximado das políticas publicas e tem enfatizado o desenvolvimento comunitário. (146).

Vimos o quanto é difícil delimitar a psicologia social comunitária, mas fica agora a seu critério traçar os limites e compreender sua intervenção.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.